«A última palavra é do mar!»

Era quarta-feira e a proximidade do sol ao horizonte reclamava o que restava daquele dia. O desacelerar do quotidiano já se fazia sentir mas as responsabilidades ainda tinham de ser cumpridas. Em busca de um lanche apressado, fomos ao terminal de Multibanco levantar dinheiro. Lá, na moldura de chapa suja, estava um autocolante suficientemente grande para chamar à atenção da minha namorada, mas tão pequeno que o meu olhar desatento não reparou. O pedaço de papel anunciava uma peça de teatro que seria exibida no sábado seguinte. Curiosa, a minha companheira foi saber mais sobre o assunto e descobriu um texto com mais detalhes, que nos incentivaram a não perder o acontecimento.

No sábado fazia junho e a humidade açoriana criara um final de tarde agradável. Num compasso de espera acompanhado por uma conversa animada, uma cerveja e uma bebida citrina, fazíamos tempo para a peça que iria começar às 22:00 horas, na Casa do Sal. À porta, pagámos quatro euros por cada bilhete, esperámos mais um pouco e subimos as escadas. Connosco estavam outras 15 pessoas, no máximo. O piso superior era pequeno e a iluminação improvisada denunciava um teatro alternativo e íntimo. À frente das cadeiras com alguns lugares vazios (talvez das pessoas que recorreram a outros terminais de Multibanco) estavam Hélder Xavier e Ricardo Ávila, prontos para interpretar «Os amores encardido de Padi e Balbina: uma dúbia estória do revenge», encenada por Ana Brum.

Já tínhamos assistido à peça no Núcleo de História Militar Manuel Coelho Baptista de Lima, mas toda a magia daquela pequena sala da Casa do Sal, fazia com que sentíssemos que estávamos a assistir à peça pela primeira vez.

Entre música, choros, gritos, risos e surpresas, o teatro de verdade refletia-se numa história que misturava ingleses, espanhóis, a ilha das Flores e umas caixas misteriosas. Foi, provavelmente, a melhor peça teatral deste ano em Angra do Heroísmo.

Sem efeitos luminosos, sem palco, sem vestes caras, sem merdas. O teatro fez-se à frente de uma parede branca, com as janelas abertas e voltadas para o único figurante da peça: o mar.

... by Rui Caria on 500px.com
by Rui Caria

Progresso inconsciente é retrocesso progressivo

Vivemos numa época incrível. Hoje, conseguimos fixar tudo aquilo que capta o nosso interesse: lugares, experiências, pessoas… Enfim. Tudo pode ser facilmente fotografado, gravado e filmado através de um único dispositivo de bolso. Além disto, é possível partilhar o que se viu, sentiu ou pensou com pessoas que estão do outro lado do mundo.

Inaccessible Universe by André Farinha on 500px.com
Inaccessible Universe by André Farinha

O tempo, a experimentação e a melhoria continua levam inevitavelmente ao progresso. Este, que muitas vezes envergonha as formas de pensar, técnicas e ferramentas que o precederam, faz-nos esquecer propositadamente do passado. Demasiadas vezes, em nome do “moderno”, “avançado” e “atual” desvalorizamos o que esteve na sua origem.

Desde a sua origem que os equipamentos (multi)média se distinguiram pela possibilidade de fixar no tempo aquilo que antes era efémero. Depois do seu aparecimento, uma narração, uma música, um pensamento ou um qualquer aparato em movimento poderia ser repetidamente apreciado. Talvez, sem uma noção explícita, começou a ser possível fixar aquilo que fazia parte das vivências de uma outra forma.

Geralmente dispendiosos e de difícil manuseamento, as máquinas fotográficas, gravadores e máquinas de filmar estavam quase exclusivamente destinados às classes mais abastadas. Com o tempo, os equipamentos ganharam relevância, foram continuamente aperfeiçoados e tornaram-se cada vez mais acessíveis.

stc11-12 007

Hoje, a evolução acelerada dos equipamentos digitais e a sede por uma internet cada vez mais omnipresente, levam a que a fronteira entre a realidade e a virtualidade seja cada vez mais ténue. Não nos devemos esquecer do passado ou deixar que as suas marcas desapareçam em nome do progresso. Com os equipamentos de que dispomos atualmente, é imperdoável que, pelo menos, não gravemos ou filmemos as manifestações identitárias que nos rodeiam. O progresso nunca deverá ser um motivo para se esquecer uma qualquer manifestação popular. Pelo contrário, o progresso deve acatar a responsabilidade de não deixar o passado cair no esquecimento.

A insignificância da linha costeira para os açorianos

Numa das minhas leituras aleatórias, li um pequeno artigo sobre um estudo realizado à gestão da linha costeira das ilhas açorianas. Neste documento, falava-se da forma como os ilhéus tinham usufruído das estruturas geológicas para criar zonas balneares, umas vezes utilizando-as tal como elas são e outras modificando-as para torná-las mais cómodas. O texto desencadeou em mim uma reflexão sobre a forma com que o açoriano vê o limite entre a terra e o mar.

Anonymous Paradise by André Farinha on 500px.com

Anonymous Paradise by André Farinha on 500px.com

Durante os meus estudo no continente, muitas pessoas perguntavam-me como é que eu conseguia viver num espaço tão circunscrito. A questão parecia afligi-las, como se imaginassem a ilha enquanto prisão de quatro paredes por onde não se consegue escapar. A minha resposta baseava-se simplesmente em descrever dois pontos distintos: por um lado, expor a naturalidade com que o ilhéu olha para a linha costeira, i.e. trata-se apenas da faixa onde o mar e a terra se misturam; e, por outra, da forma aberta com que o açoriano acolhe a vastidão do mar.

A percepção do limite, enquanto ilhéu, é muito clara e presente. O limite é a linha que o mar desenha na terra. No entanto, não é barreira, o mar é continuidade e não motivo de exílio, é o espaço onde o ilhéu mensura a sua própria concepção de infinito, onde desenha o seu caminho de evasão.

Por Filipa Bettencourt Picanço

Nunca senti que o mar fosse um monstro claustrofóbico e inibidor de ver mundo. Pelo contrário, sempre senti que o mar fosse libertador. Enquanto que uns vêem o oceano como o limite do alcançável, os açorianos vêem-no como a certeza de que conhecem tudo o que existe, que não há mais nada a observar ou conquistar. Assim, o mar é o expoente máximo do que há para conhecer: nele tudo começa e acaba.

O mar é uma referência geográfica, olhá-lo é saber onde se está. Da mesma forma que o pastor usa os montes para se guiar pelos campos, os açorianos usam o mar e a linha costeira para vaguear pelas ilhas (de forma física ou espiritual). Assim, é expectável que alguns açorianos se sintam desnorteados e encurralados quando estão nas grandes cidades, onde os prédios os sufocam, inibindo-os de ver o mar. Nesta perspectiva, o oceano, por estar libertado e ser libertador, é também entendido como uma enorme fonte de inspiração. A arte no açoriano surge em pleno mar deserto: é na [falsa] percepção de se conhecer tudo o que a visão alcança que a criação decorre. Provavelmente, é este mesmo facto que leva à originalidade e excepcionalidade da cultura açoriana, criando-se um paradoxo: o que inibe é simultaneamente o que liberta.

Wind by Rui Caria on 500px.com Wind by Rui Caria on 500px.com

A naturalidade com que o açoriano vê a linha costeira torna-a insignificante. Não importa se é uma calheta, uma angra ou uma falésia: o açoriano vê a costa como uma porta para o mar, numa relação de respeito e profunda ternura como aquela que se tem com um amigo de longa data.

Terceira Island Azores by Eduardo Marques on 500px.com Terceira Island Azores by Eduardo Marques on 500px.com